quinta-feira, 31 de dezembro de 2020

Deputados querem apenas apadrinhados no setor público

 Eu sei que no último post eu já havia desejado um feliz ano novo na eventualidade de não voltar aqui esse ano, mas aí me deparei com essa notícia bizarra que me obrigou a voltar aqui, trata-se do seguinte:

Frente quer mudar regra de concursos

Concursos Públicos: parlamentares defendem novas regras para editais

Leia trecho da matéria:

De acordo com o deputado Tiago Mitraud, defensor das alterações, a ideia é que as seleções tenham mais discricionariedade.

A proposta da Frente Parlamentar é trazer para o Brasil critérios já utilizados em outros países como análise de currículo, realização de entrevistas, experiência ou teste psicológicos antes de contratar o servidor que passar no concurso.

A proposta, caso aprovada, será inclusa no texto da reforma administrativa encaminhada pelo governo em setembro à Câmara dos Deputados.

A matéria está parada, mas a frente parlamentar que a defende busca apoio para tornar ainda mais rígidas as regras para contratação de funcionários públicos e comissionados.

A expectativa é que a matéria comece a andar após a eleição da mesa da Câmara e do Senado.

Desnecessário dizer o que ocorrerá se algo assim for aprovado, brechas para colocação de apadrinhados nos cargos públicos, como já ocorre no setor privado e mesmo em partes do setor público, nos infames cargos em comissão.

Essa proposta vai na contra mão de um serviço público de qualidade.

Ainda que a seleção não seja embasada em cartas marcadas, pessoas atraentes e extrovertidas terão vantagem sobre feios e introvertidos.

perde o setor público, perde o Brasil.


quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

Cartão de crédito não é reserva de emergência

 Esses dias um amigo meu veio se queixar da vida dura, o desgraçado deve ganhar cerca de 3 mil ao mês e reclamou que não tinha dinheiro pra pagar uma pancada, um imprevisto com o carro que renderia um golpe de cerca de 1.5 mil.

Ele disse que utilizaria o cartão de crédito para pagar a pancada.

Perguntei ao Sr. Desgraçado, já esperando qual seria a resposta, se ele não teria uma reserva de emergência para usar em caso destes imprevistos.

A resposta do respeitoso sr. foi negativa.

E ele emendou,: - Ora, mas eu posso utilizar o cartão de crédito para exercer a função que essa tal "reserva de emergência" faria, eu nem pago taxas no cartão...

A primeira vista pode parecer que sim, o problema, informei, é que a renda do Sr. desgraçado ficaria desfalcada em X% ao longo de y meses para pagar tais parcelas.

Nessa hora, o Sr. desgraçado me olhou com uma cara de total perplexidade como estivesse sendo apresentado a um conceito completamente alienígena. 

Isso sempre me deixa irritado, noções básicas de finanças pessoais parecem soar como astrofísica para o brasileiro médio.

Bancando o advogado do Diabo, o Sr. Desgraçado poderia argumentar que também ficaria com o salário desfalcado ao longo de meses para repor a reserva de emergência. O argumento é bom, mas ao meu ver não se sustenta, de modo que neste caso ele teria maior controle sobre ao longo de quanto tempo e em que quantia pagaria a reposição do fundo de emergência.


Bom, este foi meu pequeno probleminha de finanças pessoais.

Por enquanto é isso pessoal, se não voltar aqui esse ano, um feliz ano novo, muita saúde e paz em 2021!

domingo, 27 de dezembro de 2020

Malandros também são celetistas

 Não é dia hoje que noto como é comum ver trabalhadores de comércio em minha cidade atenderem os clientes de forma muito ruim, de modo que são muito ineducados e carecem de simpatia, ferramentas fundamentais para quem trabalha diretamente com o público no comércio.

Não são todos, mas boa parte é assim.

Outro dia em meu trabalho público, falei com um rapaz de uma empresa privada que foi prestar serviço na repartição que ele somente poderia realizar tal atividade em cerca de duas horas, desse modo perguntei se ele tinha mais coisas de trabalho para fazer na rua, ele disse que sim, mas falou que preferiria ficar ali na repartição esperando dar a hora passar, olhando o facebook no celular, enquanto era remunerado pra isso.

Ele disse isso sem cerimônia ética alguma, com um sorriso de malandro um tanto diabólico e muito nojento no rosto.

Se tem uma coisa que me deixa com raiva é falta de ética no trabalho.

Sei que minha história anedótica pode não ser representativa da realidade, mas não é de hoje que reparo que os servidores públicos muito injustamente são sempre tachados como malandros acomodados frente aos trabalhadores da iniciativa privada, estes sim, trabalhadores incansáveis.

Entendo que essa é uma interpretação prosaica do Brasil.

De modo que o problema aqui é cultural, a malandragem e a falta de ética laboral são endêmicas por essas bandas, sendo essa uma das razões de nosso eterno fracasso enquanto nação.

Você não vê aqui a cultura de ética de trabalho que você viu ao longo da história dos EUA - vide a tal Ética protestante do trabalho, expressão cunhada por Max Weber -, ou na Alemanha, ou no norte da Europa, ou em partes da Ásia, ou na Nigéria.


Mas não, as criticas são quase sempre proferidas apenas ao setor público, onde também há muitos trabalhadores anti éticos, mas está não é uma peculiaridade do setor público brasileiro, é uma peculiaridade do Brasil.

Até entendo que os servidores públicos ganharam essa má fama devido ao pré 88, quando muita gente entrava sem concurso, apenas por indicação, muitos deles ainda estão no setor público ou se aposentaram recentemente, mas o perfil do servidor público que entra hoje é outro.

Basicamente alguns dos melhores cérebros deste país, pessoas competentes dispostas a servir, que passaram em concursos muito disputados.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

Concursos acumulados para 2021?

É amigos, o ano está acabando e o deserto de concursos que eu já previa há meses se concretizou. 

Eu mesmo não fiz concursos este ano.

Mas tudo bem, um homem sábio certa vez observou que a hora mais escura ocorre logo antes do alvorecer.

E uma hora o alvorecer virá, a pandemia não durará para sempre, é mesmo que persista muito, o jeito será fazer concursos observando formas de segurança anti vírus. Uma preocupação extra para as bancas que anteriormente já tinham que se ater muito no combate a fraudes por parte de candidatos desonestos. Penso que uma solução seria o uso de salas com menos candidatos, o que que demandaria mais salas e mais pessoal, e consequentemente também talvez justifique um eventual aumento no já caro valor cobrado nas inscrições, mas eu estou apenas especulando aqui, não sei como as bancas agirão.

Não me levem a mal, sou favorável a medidas de contenção do vírus, mas acho um absurdo que escolas estejam fechadas e concursos não ocorram ao passo que boates e botecos estão lotados, muitas vezes com pessoas muito embriagadas que simplesmente não se encontram em estado de se ater e respeitar protocolos básicos de combate a covid-19 (uso de máscara, álcool e distanciamento).

Fato é que os concursos que não ocorreram em 2020 ficaram para um futuro próximo, em 2021. 

Aqui no RJ, temos TCE com previsão de provas para o próximo ano, TJ em banho maria, UFF com inscrições reabertas para fevereiro, Fesaude de Niterói também com inscrições para o começo do próximo ano, além de diversos outros concursos menores, minha expectativa é que 2021 seja farto em concursos, e este é um dos efeitos da pandemia que observo ter afetado o mundo dos concursos.

O outro, já comentei em outro post há uns meses, diz respeito ao fato de que temos muita gente em casa sem ter o que fazer e possivelmente candidatos brutalmente bem preparados indo atacar estes concursos de 2021, com praticamente um ano inteiro de preparo, muitos dos quais começaram o ano esperando fazer concursos como TCE e TJ e viram as provas sendo postergadas, o que muitos deles fizeram? Alguns devem ter desacelerado ou mesmo parado de estudar, mas outros, mais fortes, devem estar estudando até agora, com edital na mão ao longo de meses, essa gente ta no páreo e quem começar estudar para TJ e/ou TCE agora vai lidar com este tipo de candidato em seu estado de melhor preparo.

Pedreira.



Um feliz natal e um próspero ano novo a todos.


Abraços.

domingo, 20 de dezembro de 2020

Provas de concursos para PM são fáceis?

 Olha, se tem um concurso que te um nível de dificuldade atípico para o salário auferido, esse é o de soldado da PM, de modo que ele possui nível de dificuldade muito inferior a outros cargos de salário análogo, além de um número muito elevado de vagas, o que claro diminui a relação candidatos/ vagas.

Claro que é preciso aptidão para seguir tal carreira, o que até reforça meu argumento, de modo que muitos concurseiros de ótimo nível simplesmente não tem interesse na carreira policial.

 Claro também que o salário de soldado da PM varia entre UFs, dessa forma o nível de concorrência atraída varia muito também, dificultando ou facilitando o nível da prova, assim talvez nem todos os estados da federação estejam em sintonia quanto ao nível de dificuldade.

Aqui no RJ o soldo não é muito bom e a prova é fácil.

Vejamos algumas questões da prova de 2010 para soldado PM RJ (vamos dar um desconto porque entre 2010 e 2020 o nível de dificuldades de concursos aumentou muito, mas essa é a prova mais recente para soldado PM RJ, então é a que vou usar de exemplo).

A prova completa está disponível no qconcursos, só vou apresentar umas poucas questões aqui:



Texto I
Os cem dias de Paes
As operações de choque de ordem pública marcaram os cem dias da administração de Eduardo Paes.
O Instituto Brasileiro de Pesquisa Social (IBPS) realizou uma pesquisa sobre o assunto, publicada no Globo de 05 de abril de 2009, ouvindo 850 moradores do Rio, distribuídos proporcionalmente pelos critérios de sexo, idade e região.
As entrevistas foram feitas por telefone, entre os dias 30 de março e 02 de abril, resultando no gráfico a seguir: 

Aprova ou desaprova as operações?


O número de entrevistados que aprovam totalmente as operações é
Começamos com uma questão fácil que se aparecesse num concurso concorrido irritaria qualquer candidato minimamente sério devido ao nível de dificuldade.

O texto informa que a amostra foi de 850 moradores, segundo o gráfico de setores apresentado, 40% aprovam totalmente as operações, o que dá 340 pessoas, resposta "D".

Há outras questões de matemática muito fáceis na prova, recomendo que olhe o link ao qconcursos, vejamos agora uma de português:

Diz-se que a intertextualidade ocorre quando um texto evoca ou cita outro já consagrado. Marque a opção em que existe esse procedimento textual.
  • Há um texto associado a questão que eu sequer coloquei aqui, ele não é necessário à resolução da pergunta, a resposta, claro, letra B. O que me deixou perplexo foi olhar as estatísticas apresentadas pelo excelente qconcursos e descobrir que quase 68% dos que responderam a questão no site erraram.
  • Pra não dizer que usei somente o RJ como exemplo, veja essa reportagem de um site do Mato Grosso do Sul, entrevistando candidatos que realizaram a prova da PM do estado em 2018, uma das entrevistadas se referiu ao conteúdo da prova como "mamão com açúcar". 
  • Bom é isso, ouvi dizer também que a prova para policia civil em muitos estados também é bastante tranquila, um dos exemplos que me foi dado foi a da PC-MG, creio que realizada por volta de 2013, mas não pesquisei mais a fundo então estaria sendo leviano aqui em afirmar qualquer coisa.
  • Fica aí a dica então, claro que tanto PM quanto PC é algo indicado para candidatos que tenham muita aptidão e desejo de trabalhar na área, precisamos de bons policiais neste país.

sábado, 28 de novembro de 2020

Vestibular ou concurso, o que é mais difícil?

 Bom, pergunta interessante a se debater.

Se você não é um leigo na área e tivesse que responder a questão em uma única palavra, diria "concurso", claro.

Mas a coisa é levemente mais complexa, de modo que evidentemente depende de qual vestibular estamos falando e de qual concurso estamos falando, mas, via de regra, concursos são mais disputados.

Claro que concursos que pagam pouco tendem a ser bem menos disputados que o vestibular médio - e que vestibulares mais concorridos chegam a ser mais disputados que muitos concursos de nível mais simples, mas isso é o ponto fora da curva.

Enfim, vou pegar alguns exemplos recentes como amostragem para representar o que eu disse.


Vou então comparar com a relação candidato x vaga do mais recente dado do vestibular da USP, relacionado ao vestibular 2021. Leve em conta que a USP é a maior universidade deste país, portanto a tendencia é que seus vestibulares sejam mais concorrido que a média das outras.

Vou fazer algumas comparações e depois você mesmo, se tiver curiosidade, pode fazer as suas.

EXEMPLO 1: CARGO COM FORMAÇÃO ESPECIFICA E SALÁRIO RUIM

Retirei alguns exemplos de relação candidato x vaga de sites de bancas, a começar pela INCP, banca que vejo pegar muitos concursos em prefeituras de interior aqui no RJ, vejamos a relação candidatos x vagas de um concurso para a prefeitura de Macaé.

A vaga com a menor relação, de 1,6, é pra uma formação muito especifica, professor de braile, o que explica o muito baixo número de candidatos que puxa a relação para baixo. O salário é de apenas R$ 983,00, o que não deve atrair muita gente formada em braile na região... Na comparação com o vestibular da USP, somente é menos concorrência - estou me atendo exclusivamente a relação para ampla concorrência na USP - que o vestibular para Licenciatura em Ciências Exatas - São Carlos, cuja a relação é 1,5.

EXEMPLO 2: CARGO DE ENSINO MÉDIO COMPLETO E COM SALÁRIO RUIM

Mas este concurso realmente é um ponto fora da curva, vamos comparar com um cargo que pague mal, porém seja de formação mais abrangente, apenas ensino médio completo. Vejamos a relação para a Prefeitura de Rio das Ostras, edital de 2020.

O cargo que vou analisar é o de agente fazendário, que exige apenas EM e paga R$ 1.372,49, há apenas uma vaga, este tipo de cargo costuma atrair muito, mas o salário pode frear a concorrência. A relação é de 182! Confira a relação candidato vaga dos cursos mais disputados na USP e verá que o primeiro lugar, medicina, possui relação candidato vaga de 154,6.

Ou seja, olhando apenas o fator relação candidato x vaga, temos que ganhar pouco mais que um SM em Rio das Ostras é mais difícil do que cursar o curso mais concorrido na USP!



EXEMPLO 3: CARGO COM SUPERIOR EM QUALQUER ÁREA E SALÁRIO RAZOÁVEL

Agora vejamos um cargo que não possui formação especifica e paga um salário razoável, mas exige superior completo, o que elimina muitos candidatos em potencial que não tem curso superior: Fiscal de tributos II, salário de R$ 4.023,93. Apenas uma vaga para 661 candidatos. 4K já é um salário suficiente para um homem solteiro viver com dignidade no interior do RJ, mas não é nada sensacional. Temos que, ainda assim, e mesmo com o fator exigência de formação superior filtrando muito o número de candidatos interessados, este concurso é mais de três vezes mais disputado que o vestibular mais disputado da USP!

Cabe observar aqui que medicina é o ponto fora da curva, a relação do quinto vestibular mais disputado da USP, o de relações internacionais, é de apenas 55,3! O que coloca um concurso de 4k em Rio das Ostras como pelo menos doze vezes mais disputado!



EXEMPLO 4: CARGOS DE ENS. MÉDIO E DE DIREITO, COM SALÁRIOS BONS

Bom, estou ficando cansado então somente vou dar mais um exemplo. Três na verdade, vamos pegar o recente edital da FGV para o MPRJ, concurso de grande visibilidade que interessa a muita gente no estado e teve provas aplicadas em diversas cidades. Dois cargos de ens médio e uma para direito, os de ens. médio pagam pouco mais de 4k e o para formação em direito, pouco mais de 7k. Leve em conta que direito é o curso superior mais comum no Brasil.

As relações são as seguintes, conforme divulgadas pela banca FGV:

Analista do Ministério Público - Processual: 08 vagas, 10.846 candidatos, relação de 1.355,8.

Oficial do Ministério Público: 01 vaga, 3.802 candidatos, relação de 3.802,0.

Técnico do Ministério Público - Administrativa: 06 vagas, 25.288 candidatos, relação de 4.214,7.

Cargos como este técnico do MP costumam ser os mais disputados, por pagarem bem e exigirem apenas ens. médio.

Sem comentários neste exemplo, os números falam por si.


CONCLUSÃO

Bom, não temos nem o que discutir, concursos públicos tendem a ser muitíssimo mais disputados que vestibulares, vestibulares da USP são apenas comparáveis a concursos de nível fácil, que não pagam muito bem. Um cargo tido como básico para concurseiro, como este de ens. médio para o MPRJ já é surrealmente mais disputado que o vestibular mais disputado da USP.

domingo, 8 de novembro de 2020

A blogosfera já não é mais tóxica

Post rápido sobre um fenômeno que observei por estas bandas da internet nos últimos anos.

O primeiro blog que conheci por estas bandas foi o Pobretão de vida ruim, já escrevi um post falando especificamente sobre tal finado blog, posso resumir minha opinião: o cara era um misógino que falava um monte de besteiras, mas eu acompanhava porque era uma leitura leve e engraçada.

Misógino até para os meus padrões, eu não uso este termo gratuitamente no dia a dia, quem me conhece sabe que tenho aversão a essa cultura radical que a esquerda tem promovido no ocidente nos últimos anos, onde se enxerga misoginia, homofobia e racismo em tudo, mas enfim.

Naquela época eu já era um pouco velho, tinha certa experiência e podia ler o Pobretão sem ser influenciado com algumas filosofias hediondas, mas acredito que muita gente mais nova lia aquilo e era assim mal influenciada, acho que O pobretão e outros blogs da época poderiam ser classificados satisfatoriamente como tóxicos.

Alguns blogs aproveitavam este teor cínico que era marca registrada do pobretão, provavelmente tentando atrair alguma audiência dele derivada e talvez até faturar uns trocados da cerveja com o adsense - eu mesmo nunca ganhei nada com o adsense

Cabe observar que já naquela época havia alguns blogs de sucesso que compartilhavam boas ideias, como o recém extinto blog do Corey. 

Gradativamente creio que a blogosfera se transformou, se afastando de alguns extremismos  raivosos e de depressões auto destrutivas e se concentrando no desenvolvimento pessoal e foi além, tenho visto inclusive posts sobre altruísmo nos últimos anos, o que é extremamente positivo.

Bom ver essa mudança para a melhor.

segunda-feira, 2 de novembro de 2020

Quatro anos de carreira de concurseiro e uma seca de concursos

 La se vão quatro anos, como o tempo voa. Nesses anos aprendi muito, mudei muito com o aprendizado e talvez já não concorde com algumas coisas que tenha escrito aqui há uns anos atrás.

Mas, via de regra, eu ainda concordo com a maior parte do que escrevi e ainda por cima sofistiquei meu pensamento a respeito de tais tópicos, desenvolvendo mais e aperfeiçoando pensamentos anteriores.

Que coisa boa.

Ainda sou concurseiro, atualmente ganho um salário minimamente digno que me da paz, de modo que sou uma pessoa de gostos simples, mas, a minha tendência é não se acomodar com a mediocridade, portanto, ainda tenho muito a estudar, ainda passarei muitas horas de minha vida estudando informática, português, matemática, direito e tantas outras matérias.

E talvez eu não passe em outro concurso, talvez por detalhe, uma perguntinha ou outra que eu erre, se eu não estiver bem no dia da prova etc. já são um abismo em meio a um concurso altamente disputado, com vários candidatos bons.

Mas somente a satisfação em ter tentado, em ter virado um candidato altamente competitivo já serão suficientes para me trazer uma alegria minima.

2020 tem sido um ano de seca no mundo dos concursos, mas não há do quê reclamar, a pandemia prejudicou muitas coisas muito mais importantes, os concursos virão, agora de forma acumulada, então, deduzo que o cenário concurseiro pós pandemia será rico em certames no curto prazo.

Sou concursado, quando comecei este blog eu também era, mas num cargo ridículo, no qual eu mal ganhava um salário minimo, recentemente, um amigo meu me confessou que admira este fato de eu ter progredido na vida, de não ter ficado parado. Se eu ficasse olhando o tempo passar sem nada fazer, talvez ainda hoje estaria uma pessoa depressiva me matando de trabalhar naquele cargo horrível.

Por isso hoje sou grato a Deus pelo emprego que tenho, estou longe de ser rico, mas pelo menos, tenho o minimo de dignidade.

Já sou concursado, mas ainda sou concurseiro, provavelmente eu ainda seria concurseiro se ganhasse 20 mil, porque aí ficaria olhando para os cargos de 30. O topo da carreira ainda está longe e provavelmente este blog ainda narrará muitas aventuras nesta jornada.

Uma curiosidade, recentemente uma amiga minha estava conversando comigo sobre concursos e fez uma referência que eu logo deduzi ter sido tirada deste blog, evidentemente ignorei e não perguntei da onde ela tinha lido aquilo, se é que tinha lido em algum lugar, rs. Mas muito provavelmente foi daqui, rs.

Obrigado aos leitores por estes quatro anos maravilhosos, espero ter contribuído com boas ideias a muitos e que venham muitíssimos anos de  mais concursos para todos. Eu ainda estarei por aqui, se Deus permitir, como concursado e como concurseiro.




sábado, 31 de outubro de 2020

Para que serve um vereador?

 Eleições 2020 na reta final, devemos escolher através do sufrágio universal quais serão os nossos próximos representantes no legislativo e no executivo municipal.

Recentemente, nosso ministro da economia Paulo Guedes, que merece muitas criticas por seu projeto de reforma administrativa, propôs uma ideia bastante interessante que me parece não ter recebido a atenção merecida: extinguir alguns municípios com menos de cinco mil habitantes.

A ideia é boa, e até um pouco tímida. De modo que acho que poderia ser mais abrangente e fundir municípios que tenham menos de 100 mil habitantes.

Afinal, cinco mil ainda é muito pouco, em meu estado mesmo, o RJ, segundo o IBGE informa, nenhum município tem menos de 5 mil habitantes em 2020 - lembrando que o ultimo censo foi em 2010 e estes números do IBGE são estimados.

A ideia é excelente, economizaríamos uma grana com estrutura burocrática, afinal, menos municípios, equivalem a necessidade de menos câmaras e prefeituras. Fora a economia com o dinheiro que vai para o ralo, afinal, com menos câmaras, teríamos menos vereadores anti éticos que entopem a administração municipal com apadrinhados fantasmas que não trabalham. Não estou aqui sendo leviano, as frequentes denuncias dos MPs estaduais contra tais crimes, bem como exposições da imprensa nos dão a entender que tais práticas horríveis são comuns na politicagem de nível municipal.

Ideia excelente.

Já eu, tenho uma ideia ainda mais utópica que requer PEC's.

Minha ideia é a extinção das câmaras municipais.

A analise de contas dos prefeitos ficaria então a cargo do Tribunal de contas Estadual onde se localizar o respectivo município. Afinal, usualmente, quando o julgamento das contas vai para o plenário de vereadores, a questão passa a ser meramente politica e não técnica.

E a criação de leis municipais? Ficaria a cargo de quem? Bom, esta questão é um pouco mais complexa, penso que algo como um conselho de cidadãos de reputação ilibada e bom conhecimento técnico em diversas áreas - bem como não remunerados - faria bem o serviço, bem como algumas demandas de legislação atualmente consagradas aos municípios poderiam ficar a cargo das respectivas Assembleias Legislativas.

Uma verdadeira utopia, dada o Status quo, bom, mas sabem o que dizem, um homem pode sonhar...

Mas afinal, Para que serve um vereador?

Ah sim, acabei que não respondi a pergunta título ao longo do texto - pelo menos não diretamente. Procure pelo site de sua Câmara municipal, se as leis são publicadas online, a maioria dos vereadores, especialmente em municípios do interior, além de julgar as contas do executivo, conforme eu já mencionei no texto, é pro eficiente em fazer leis municipais inúteis, são especialmente mestres em trocar nomes de ruas.

É são muitíssimo bem pagos para tal, além de poderem nomear alguns assessores comissionados e, quando anti éticos, nos brindam com rachadinhas e afins.


sábado, 26 de setembro de 2020

A pec do apocalipse concurseiro

A besta tem um numero, e ele é 32/ 2020, a PEC do apocalipse concurseiro.

Haha, desculpem abrir o texto de forma dramática, vou bancar o advogado do Diabo por um segundo e dizer que existe muita coisa no setor público que precisa mudar e inclusive essa PEC abrange algumas dessas coisas...

Entretanto...

Alguns itens da PEC são simplesmente bizarros e se aprovados, acabariam de vez com qualquer sonho de qualidade no serviço público brasileiro.

Em alguns pontos, na minha visão, Paulo Guedes demonstra certa ingenuidade com o que é o setor público, especialmente num trecho que eu considero o pior ponto desta PEC, que é o seguinte:

II-A - a investidura em cargo com vínculo por prazo indeterminado depende, na forma da lei, de aprovação em concurso público com as seguintes etapas:

a) provas ou provas e títulos;

b) cumprimento de período de, no mínimo, um ano em vínculo de experiência com desempenho satisfatório; e

c) classificação final dentro do quantitativo previsto no edital do concurso público, entre os mais bem avaliados ao final do período do vínculo de experiência.

É aí que a coisa fica esquisita, essa tal etapa de avaliação abre muita brecha pra avaliações de caráter pessoal que em nada representam verdadeira avaliação técnica, isso não daria certo no setor público e sequer acho que dá  certo no setor privado, de onde vem a inspiração.

Ora, a literatura pertinente é farta sobre o fato de que neste tipo de avaliação com aberturas a pessoalidade, candidatos mais bem apessoados e extrovertidos possuem vantagens descabidas sobre feios introvertidos e em nada isso tem relação com questões de real qualidade laboral.

O feio introvertido que sou jamais teria chances de crescer em tal cenário.

Daí, sempre achei que o setor público, embora marcado por seus defeitos, sempre deu um banho no setor privado no que tange a uma questão, que é a seleção de profissionais.

De modo que não há entrevistas questionáveis com profissionais de RH oriundos de uma cultura de seleção corrompida ou demais fases de gincaninhas trainee questionáveis, o que há é uma singular prova, uma avaliação fria que não liga pra absolutamente nada sobre seu aspecto profissional, se você é feio/ bonito, introvertido/ extrovertido etc. apenas liga para seu conhecimento e isso é o que importa.

Se este trecho da PEC passar, o setor público brasileiro virará uma versão ainda pior do setor privado. Parte do setor público brasileiro é assim, com muitos comissionados sendo mal selecionados, isso sim deveria ser melhor regulamentado...

Enfim, se esse trecho da PEC for aprovado, esqueça os estudos, a etapa do concurso perderá relevância, foque em puxar saco e em tirar uma boa foto de terno pra colocar no perfil do LinkedIn.




Recomendação de post

Li pela manhã o mais novo texto do colega Gari Advogado, A TRAJETÓRIA do Gari Advogado nos concursos e posterior ILUSÃO/ FRUSTRAÇÃO, um pouco cumprido, mas vale a leitura, o autor narra um pouco de suas frustrações com concursos públicos e com o ambiente de trabalho no setor público, não concordo 100% com o que ele colocou, mas ele traz uma discussão bastante valorosa.

domingo, 26 de julho de 2020

Se você ganha um salário minimo, faça isso

O percentual mais conservador nos diz que pelo menos 10% é o que um homem deve economizar de sua renda mensalmente para montar uma reserva de emergência e posteriormente um orçamento para investimento.

Pelo menos 10%, é o que encontramos em clássicos de finanças como "O homem mais rico da Babilônia".

Mas e se você ganha um salário minimo?

Consideremos um salário minimo de 1000 reais - sei que está uma esmola mais alto que isso, mas consideremos 1000 como um exemplo mais prático.

10% equivale a 100 reais ao mês - 200 em meses de 13º.

Com tal valor, você levaria cerca de 80 anos para ter juntado 100k, valor que creio podermos elencar como  o minimo para se ter ao menos paz financeira na vida.

Bom, claro que em termos numéricos estes 100k provavelmente serão representados por outro número - após décadas de inflação puxando o valor do dinheiro pra baixo - ora, não sei nem se a moeda brasileira no ano 2100 será o real, mas enfim, o que importa é o que você terá mais ou menos o que entendemos hoje por 100k.

Sem dúvidas, é muito tempo, ainda mais considerando que maioria de nós sequer viverá oito décadas - ou 98 anos, afinal se você começar a trabalhar aos 18, já terá que trabalhar 80 pra juntar a grana...

Claro que tal exemplo é esdrúxulo e impensável e claro também, que você investirá ao longo do caminho para chegar aos 100k mais rápido, em um prazo ao menos realista.

De qualquer forma, é um exemplo interessante para demonstrar como a caminhada pode ser muito mais longa e árdua para se atingir a paz financeira quando se hanha um salário minimo.

Por isso, se você ganha um salário minimo, sugiro que economize, pelo menos 10%, é importante que você o faça, para já ter uma reserva de emergência e, após tê-la criado, já ir pegando a manha dos investimentos.

Mas, acima de tudo, procure criar janelas para sair desta situação, creio que a estratégia que deve se priorizada por quem ganha pouco é procurar formas de passar a ganhar mais, o que ajudará ainda mais os seus aportes mensais e tornará a estrada rumo aos 100k  mais curta.

Sei que é muito difícil economizar muito quando se ganha pouco, eu já estive em tal situação, acho que nunca narrei isso aqui, mas já tive anos de minha vida em que eu ganhava muito pouco. Minha renda mensal era menor que um salário minimo. 

O importante é começar.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Aquila non capit muscas